Leilão para venda de imóveis do executivo é aprovado pelos vereadores em Cachoeira Paulista, SP

Leilão para venda de imóveis do executivo é aprovado pelos vereadores em Cachoeira Paulista, SP

Maioria da população demonstra insatisfação nas redes sociais e não aprova a ação por parte da prefeitura. Projeto de Lei que foi encaminhado a Câmara, foi aprovado em primeira discussão pelos vereadores e deve ser votado novamente. Ação é legal e pode ser realizada pelo executivo

 

A cidade de Cachoeira Paulista vive mais uma política no campo político, desta vez, o assunto é a venda de imóveis da prefeitura por meio de um Leilão. Segundo a TV Cidade, o prefeito Edson Mota (PR), encaminhou à Câmara, o Projeto de Lei nº 43/2018, com o objetivo de vender três imóveis públicos. Na justificativa do projeto, o executivo afirma que estes bens estão ociosos e antieconômicos, vejam quais são estes imóveis públicos:

1) Imóvel localizado na Travessa Acre, no Jardim da Fonte, área de 4.127,14 m2.

2) Imóvel localizado na Rua Carlos Pinto, na Vila Carmem, área 1.962,00 m2.

3) Imóvel localizado na Avenida Brasil, Jardim da Fonte, área 974,96 m2.

No Giro de notícias, a informação é de que as imobiliárias locais fizeram uma avaliação a pedido da Câmara, chegando aos seguintes valores. População contesta venda dos imóveis.

Imóvel 1: R$ 354.000,00 (trezentos e cinquenta e quatro mil reais)

Imóvel 2: R$ 325.000,00 (trezentos e vinte cinco mil reais)

Imóvel 3: R$ 85.000,00 (oitenta e cinco mil reais)

 

Caso sejam vendidos por meio de Leilão, devidamente divulgado publicamente, a somatória dos imóveis será de cerca de R$ 764.000,00 (setecentos e sessenta e quatro mil reais). No projeto enviado o valor médio dos imóveis por meio de leilão deverá se aproximar a quantia de R$ 1 milhão de reais. Segundo a TV Cidade, o prefeito Mota deve usar o montante para quitar dividas com precatórios, adquiridas em outras administrações.

 

 

O vereador Professor Danilo Silva, falou que em relação aos precatórios, questiona o valor de dívidas com precatórios, que segundo alguns parlamentares da base, está no projeto por volta de R$ 18 milhões de reais, ou seja, este valor não quitaria nem 10% da dívida pública.

 

No Observatório da Ética e Moralidade de Cachoeira Paulista, um grupo das redes sociais, a maioria esmagadora dos internautas colocou-se contrários ao leilão, ou seja, contrários a venda de imóveis da prefeitura. Em uma enquete, dos 42 perfis que participaram 38 foram contra a venda dos imóveis, em contrapartida, apenas quatro a favor.

 

O Advogado José Mauro Barbosa comentou: “E o pior que falaram que ele (prefeito Edson Mota), alugou um imóvel na Rua 7 de setembro onde funcionava um supermercado por uma verdadeira fortuna, para ser a sede da Secretaria da Educação. Porque não instala no imóvel que ele quer vender em frente ao educandário, para se evitar gastos desnecessários?”

 

Também contrário ao leilão, o estudante de jornalismo pela Faculdade Canção Nova, Rafael Capucho, colocou sua insatisfação: “Totalmente contra, Cachoeira teve um aumento de 20 milhões de reais no orçamento esse ano, dessa maneira o pagamento de precatórios já deveria estar no planejamento orçamentário, respeito à opinião de todos, mas, ser a favor disso é um ato no mínimo incoerente”.

 

Juliano Satim Vieira, que é ex-vereador de Cachoeira Paulista e também de Silveiras, cidade onde o prefeito Edson Mota já foi prefeito por três vezes, colocou sua insatisfação com o leilão: “Vergonha! Edson Mota deveria recuar. Nenhum prefeito na história de Cachoeira vendeu algum imóvel, sempre doavam ou faziam obras nos terrenos da prefeitura.  Mostra como é incompetente e amoral esse governo”.

 

Em uma das demonstrações em defesa da administração, Gisely Fernandes rebateu as colocações de Juliano Vieira: “Você sabe dizer qual o último prefeito que pagou uma conta de água em dia! Você sabe dizer por que os dois prefeitos anteriores ao atual tiveram as contas rejeitadas por falta de pagamento de precatórios? Você sabe dizer quantas contas atrasadas dos governos anteriores o atual prefeito está pagando? Você sabe dizer quantas entidades assistenciais estavam sem receber repasses financeiros e há quanto tempo? Você sabe dizer quantas ações judiciais os prefeitos anteriores respondem por diversas acusações de desvio de verbas públicas e pelo menos dois deles fogem dos oficiais de justiça para não serem encontrados? Responde pelo menos essas questões e depois vem fazer um comentário. Se quiser tenho outros dados para trazer aqui, como por exemplo, a desapropriação ridícula de uma fazenda inteira para ao final o município ficar com tão somente 8 mil metros quadrados e pagar por esse valor quase 7 Milhões de reais! Fala aí que prefeito fez isso”.

 

Segundo o prefeito Mota, o objetivo é iniciar o pagamento dos precatórios que não foram pagos por outras administrações: “A dívida existe e temos que pagar, se não temos todo o montante agora temos que no mínimo demonstrar a vontade de sanar essa dívida e pagar uma parte dela, essa é a obrigação da prefeitura e minha como gestor público.” Ao ser perguntado sobre os imóveis, o prefeito explicou que são espaços abandonados e sem uso, que vem gerando só gastos para a máquina pública, e se podem ser revertidos em um montante para pagamento de parte dos precatórios então a ação é acertada.

 

O projeto que deve passar por duas votações foi colocado em discussão e votação na câmara no dia 05 de junho. Segundo o presidente da casa de leis, o vereador Nenê do São João, o projeto foi aprovado em primeira discussão por dez votos favoráveis, dois contrários e uma ausência.

 

Vereadores que votaram favoravelmente ao Projeto de Lei para criação de Leilão de Imóveis da Prefeitura

Breno Barbosa Anaya Xavier – Breno Anaya – PSC

Maximilio Miranda Gonçalves de Barros – Max Barros – DEM

Mariza Cardoso de Miranda Hummel – Mariza Hummel – PP

Aldeci Alves Ribeiro – Aldeci Baianinho – PSC

Agenor Nunes da Silva – Agenor do Todico – PSDB

Dimas Estevam Barbosa – Dimas Barbosa – PTB

Ilwanderson de Oliveira – Nenê do São João – PSB

Ovídio Carlos Ligabo – Vica Ligabo – PTB

Sebastião dos Santos – Tião do Marly – PR

Thales Willian Satim – Thales Satim – PSC

 

Vereadores que votaram contrariamente ao Projeto de Lei para criação de Leilão de Imóveis da Prefeitura

Maria da Graça Theodoro Diogo – Dadá Diogo – PODE

Danilo Luiz da Silva – Professor Danilo – PROS

 

O vereador José Carlos da Silva Bernardo – Carlinhos da Saúde – PSD não esteve presente na sessão desta terça-feira (05).

Compartilhe


Comentários


Notícias Relacionadas


ii