Vereador Marcelo Coutinho é afastado do cargo de vereador pela justiça em Guará

Vereador Marcelo Coutinho é afastado do cargo de vereador pela justiça em Guará

Após investigações de corrupção pela Polícia Civil-SECCOLD, a justiça decretou o afastamento do ex-Presidente da Câmara, além de outros servidores, determinando a proibição dos denunciados de acessarem as dependências do Legislativo, além do sequestro de bens na ordem de R$ 801.723,00

Nesta quinta-feira (22), a Polícia Civil, por meio do Setor Especializado no Combate a Corrupção, Organização Criminosa e Lavagem de Dinheiro (SECCOLD) da Seccional de Guaratinguetá, divulgou informações acerca dos atos conseguintes à conclusão do Inquérito Policial destinado a apurar crimes licitatórios, crimes de corrupção passiva e ativa, falsidade ideológica e organização criminosa no âmbito da Câmara Municipal de Guaratinguetá.

Nesta mesma data, foi recebida pelo Poder Judiciário a denúncia confeccionada pelo Ministério Público contendo os fatos apurados no Inquérito Policial. A decisão judicial determinou o levantamento do sigilo dos autos principais, tornando o público.

No mesmo rumo, o Poder Judiciário acatou a representação formulada pelo SECCOLD e referendada pelo Ministério Público para decretar o afastamento do ex-Presidente da Câmara Municipal de Guaratinguetá, o qual exerce atualmente mandato de vereador, e outros servidores daquela Casa Legislativa, determinando, ainda, a proibição dos denunciados de acessarem as dependências da Câmara Municipal, além do sequestro de bens na ordem de R$ 801.723,00 (oitocentos e um mil, setecentos e vinte e três reais), valor estimado e atualizado do prejuízo ao cofre público municipal.

No bojo do Inquérito Policial em comento foram colhidas, após emprego de técnicas especiais de investigação, robustas provas ( v.g., documentais, testemunhais, imagens de gravação, dados extraídos de dispositivos eletrônicos, relatório técnico do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, além de confissão de um dos investigados) de crimes graves, como, por exemplo, o recebimento de “propina” (valores indevidos) pelo então Presidente da Câmara de Guaratinguetá no valor de R$ 15.000,00 (quinze mil reais), pagos mensalmente por empresário favorecido em contratações por procedimentos ilegais de dispensa de licitação, mediante direcionamento, conluio de empresas, falsidades documentais e superfaturamento de preços de serviços.

Marcelo Coutinho ‘Celão’, emitiu uma NOTA À IMPRENSA:

“Surpreendido com a notícia de decisão judicial que recebeu denúncia que imputa ao declarante fatos que não praticou, bem como que, sem ouvir o declarante, deferiu medidas cautelares extremamente rigorosas, o declarante reafirma sua inocência e sua confiança na Justiça, esclarecendo que tomará todas as medidas judiciais cabíveis e necessárias à defesa de seus direitos e interesses”, citou o declarante, Marcelo Coutinho ‘Celão’.

O vereador Arilson Santos (PSC), atual presidente do legislativo guaratinguetaense, divulgou um COMUNICADO, veja:

“A Câmara Municipal de Guaratinguetá, não foi notificada oficialmente sobre o fato. Assim que ocorrer tal notificação, iremos nos pronunciar oficialmente”.

Compartilhe


Comentários


Notícias Relacionadas


ii